Photo Club Entrada Franca
Fechar!

Photo Club Entrada Franca

Postado por Entrada Franca em 28/02/2013

Desenhando com a Luz, sombras, cores e muitas inspirações. Foto Clube Entrada Franca uma nova opção de cultura e arte em São José dos Campos.

Proxima saída fotográfica: Quinta, 7 de março de 2013 às 18:00. É GRATUITO – PARTICIPE!

  • Photo Club Entrada Franca

    Photo Club Entrada Franca

    Postado por Entrada Franca em 28/02/2013

    Desenhando com a Luz, sombras, cores e muitas inspirações. Foto Clube Entrada Franca uma nova opção de cultura e arte em São José dos Campos.

    Proxima saída fotográfica: Quinta, 7 de março de 2013 às 18:00. É GRATUITO – PARTICIPE!

  • Quem somos

    Quem somos

    Postado por Entrada Franca em 26/08/2010

    A Associação Entrada Franca tem por finalidades divulgar e promover em âmbito local, nacional e internacional a qualidade de vida no dia a dia das pessoas. Mostrar tendências, reflexões, sugestões a valorização da cultura nacional, movimentando-se por meio de registros culturais e históricos, promovendo o desenvolvimento sustentável de interesse da coletividade, com a finalidade social […]

  • O que é qualidade de vida?

    O que é qualidade de vida?

    Postado por Entrada Franca em 26/08/2010

    Qualidade de vida é o método usado para medir as condições da vida de um ser humano. Envolve o bem físico, mental, psicológico e emocional, além de relacionamentos sociais, como família e amigos e também a saúde, educação, arte, cultura, turismo, esporte, poder de compra e outras circunstâncias da vida.

A dança pode dar outro ritmo à sua vida

Posted by Entrada Franca   Jul 05th, 2011   No Comments »
A dança pode dar outro ritmo à sua vida

Não é exatamente fã de esportes? Experimente colocar seu corpo em movimento inserindo a dança na sua rotina.
Um meio de mostrar seu brilho, seu esplendor, uma fuga da realidade, uma forma de se expressar usando o próprio corpo… são vários os significados da dança na vida de seus praticantes. Inebriante, ela tem o poder de envolver e emocionar seus dançarinos e sua plateia, dentro de seus mais inúmeros gêneros e ritmos.
“A dança é um caminho para a realização pessoal, onde você se expressa através de movimentos”, diz Renata Luana, bailarina desde os quatro anos e coreógrafa. Apaixonada pela área em que atua, Renata cita alguns diferenciais das modalidades nas quais é professora há 16 anos: ballet e jazz. “Em ambos há um grande benefício quanto ao trabalho corporal, pois nas rotinas de aulas são trabalhados aquecimento, fortalecimento, resistência e alongamento”, explica. Além disso, a professora enfatiza o ganho no desenvolvimento da coordenação motora, equilíbrio e flexibilidade.
Se você está em busca da atividade física que pode lhe conferir mais prazer e bem-estar e não se identifica tanto com práticas esportivas, a dança pode ser a resposta para suas dúvidas. E apenas conhecendo um pouco mais de cada modalidade é possível perceber com qual delas você tem mais afinidade. Que tal começar a desvendá-las agora?!
“Extremamente técnico e exato, o ballet clássico trabalha a postura e a disciplina, sendo essencial que a bailarina apresente a técnica por meio de movimentos leves e delicados”, diz Renata. Quem vê a bailarina flutuando em seus passos tão suaves pelo palco, encantando seus expectadores, não faz ideia da força empregada para atingir a perfeição, e não imagina a rotina de aulas e ensaios para garantir o movimento ideal.
Já o jazz é “uma forma de expressão pessoal criada e sustentada pelo improviso, com características marcantes como movimentos com os quadris e pernas, e giros”, afirma a experiente professora. Essa forma de dançar utiliza com frequência passos do ballet clássico como base, com o diferencial de ser mais descontraído, mais solto. Com qual deles você mais se identifica?

Apoio no tratamento de lesões

Por envolver um trabalho físico muito completo, a dança pode sim auxiliar num tratamento de lesão. “É preciso verificar o tipo de lesão e o ideal é que a dança seja uma aliada do tratamento terapêutico específico”, esclarece Renata, também formada em Fisioterapia. “O professor deve estar atento aos tipos de exercícios que auxiliarão no tratamento e os que serão contraindicados, por exemplo, em uma lesão de joelho muitos exercícios da dança promovem o fortalecimento de quadríceps e alongamento de cadeia posterior, porém, existem também aqueles que forçam a flexão de joelho, que nesse caso não seriam indicados”, alerta.

Superando a insegurança

Muitas vezes, o medo e a vergonha impedem amantes da dança de ingressarem nesse universo. Contudo, a professora que já participou em apresentações de grandes obras do ballet clássico, dá os motivos para não desistir. “Para quem tem vergonha é importante olhar para isso e pensar na superação de um desafio, começar é uma forma de trabalhar esse medo, para vencê-lo e superar seus limites”, incentiva.

Alguns dos mais hábeis artistas e profissionais de diversas áreas já se sentiram inseguros ao começar algo novo. Fundamental é ver as vantagens, se é a atividade que foi feita para você e se dar a chance de viver essa experiência! “A dança é um combustível na minha vida, um momento em que eu volto toda atenção para mim, e quando eu dou aula eu procuro transmitir tudo o que eu sinto para as pessoas que eu ensino… é a minha terapia, o que me dá forças”, finaliza Renata.

Fonte: Renata Luana, bailarina formada em 1995 pelo Ballet Zaruska, coreógrafa e professora de ballet clássico e jazz há 16 anos. Fisioterapeuta, autora do projeto ‘Dança e Saúde: prevenção de lesões na dança’. Site – www.queromemexer.com.br

Deixar uma resposta